O artigo de hoje é um divisor de águas: Vou aproveitar toda a experiência que adquiri nestes quase 15 anos lidando diariamente com soluções de datacenter e vou compartilhá-la com você! Isso mesmo, com você aí do outro lado da tela! Mas não se preocupe, não vou ser muito técnico nos próximos parágrafos. Vamos lá?! Boa leitura!

O primeiro contato com a hospedagem

Muitos novos empreendedores digitais são pegos de surpresa quando os desenvolvedores entregam o projeto final e informam: “Agora, precisamos hospedar a sua loja virtual!”. E aí que alguns descobrem que além do valor investido na loja terão de pagar uma mensalidade para a hospedagem da loja virtual em um servidor de dados.

O layout, os sistemas, os módulos e todos os outros componentes técnicos de uma loja virtual são como os móveis, equipamentos, computadores e outros acessórios que você também tem em uma loja física. Estes arquivos (ou códigos) são mantidos em um local, assim como os móveis e equipamentos de uma loja física. Este local é o servidor de hospedagem, com pagamento recorrente.

Numa rápida e básica alusão, o pagamento da mensalidade de hospedagem está para uma loja virtual, assim como o aluguel do ponto comercial está para uma loja física. Trata-se de um pagamento recorrente que garante acesso àquele estabelecimento. Há ainda outros custos assessórios, mas resumidamente é isto: Você paga pela estrutura que estará disponível para que seus consumidores finais possam comprar na sua loja.

O que é a hospedagem da loja virtual?

A hospedagem nada mais é do que a disponibilização de um espaço virtual dentro de um destes servidores de hospedagem mantidos por empresas especializadas. Estas empresas garantem que os softwares, sistema operacional e outros arquivos necessários para manter a estrutura funcional estejam presentes e atualizados no servidor. Isto faz com que os arquivos da sua loja virtual possam ser acessados a qualquer momento.

Além de manter os softwares atualizados, a empresa de datacenter (responsável pela hospedagem da sua loja virtual) deve se certificar que os equipamentos, tais como servidores e roteadores estejam em pleno funcionamento, além de possuir contrato com diversos provedores de acesso (link de internet) para redundância no caso de possíveis problemas com os links principais.

Então, toda loja virtual precisa estar hospedada em algum provedor?

Sem dúvida! Os códigos das lojas virtuais, assim como os códigos de quaisquer outros sistemas, websites, aplicativos móveis e etc., devem estar hospedados em algum provedor, que chamamos no mercado de Datacenters.

Se você planeja criar uma loja virtual, já coloque no seu planejamento um valor destinado a hospedagem da sua loja virtual. Este valor é variável e depende diretamente da qualidade da estrutura que será fornecida para o seu e-commerce.

Você encontra soluções de hosting no mercado por R$ 29,90 mensais, não recomendada para e-commerce, sendo estruturas básicas para websites com poucas atualizações, soluções de R$ 200,00 mensais que já contemplam um determinado nível de gerenciamento e controle da estrutura técnica e estruturas mais complexas que podem ultrapassar R$ 1 mil, R$ 10 mil, R$ 25 mil mensais. Tudo vai depender do tamanho do seu projeto e esta é uma análise que será feita pelo especialista de e-commerce que vai te acompanhar no seu projeto.

A hospedagem influencia na velocidade de acesso da minha loja?

Com certeza! Fatores como: Latência (demora na resposta do servidor em relação a um acesso feito pelos usuários), sobrecarga de uso dos componentes do servidor, quantidade de lojas virtuais hospedadas numa mesma máquina, peso da sua loja virtual, tecnologia utilizada para o servidor de dados, dentre outros fatores podem e influenciam na velocidade de acesso da sua loja virtual.

Nestes anos que tenho acompanhado as soluções no mercado de e-commerce, aprendi que as mais completas são também as mais complexas. Muitas, como a solução de e-commerce da Agência SOFT por exemplo, possuem sistemas inovadores de caching de conteúdo. O que é isto? É simples: Quando um consumidor final acessa a loja virtual todo o conteúdo é salvo temporariamente para que num novo acesso não seja necessário revisitar as mesmas imagens e textos, gerando uma nova comunicação com o servidor.

Apesar de algumas plataformas terem a solução de caching que expliquei acima, nem todas (sua maioria) são ativadas pelos desenvolvedores por um motivo crucial: O caching de conteúdo, apesar de diminuir e muito o tempo de acesso à loja virtual e consumir menos recursos no tráfego de dados da loja virtual, utiliza muito processamento e memória do servidor que hospeda o e-commerce.

Se você desenvolveu ou pretende desenvolver a sua loja virtual com a SOFT não se preocupe, nós habilitamos este cache para que a sua loja virtual fique mais rápida em nossa solução de hospedagem! Por outro lado se você não é nosso cliente, questione se o seu desenvolvedor ativou as opções de caching da plataforma atual (se é que esta opção está presente na plataforma que você utiliza).

E sobre as visitas que recebo. Elas podem influenciar no custo?

Também é um fator de altíssima importância. Vamos imaginar que as visitas feitas na sua loja virtual são como as visitas feitas na sua loja física: Há uma lotação máxima que o seu ponto comercial comporta, não é mesmo? Talvez, 25, 100, 1000 pessoas simultaneamente dependendo do tamanho do seu estabelecimento.

No e-commerce não é muito diferente. Fatores como processamento (CPU), memória RAM e, principalmente, tráfego de dados são fundamentais para saber quantos clientes a sua estrutura de e-commerce irá comportar. A maioria dos datacenters operam em uma metodologia por tráfego de dados, ou seja, cada visita feita na loja, cada banner visualizado, cada produto carregado gera um consumo medido em KBs, MBs e GBs. Os limites são mensais e consumidos a cada nova visita. Quando o limite é atingido, alguns provedores fazem o bloqueio da loja virtual. Na ZONE, os lojistas são comunicados para que possam fazer um upgrade pontual e continuar operando com a loja.

No comércio físico seria um pouco mais complicado. Precisaríamos alugar o ponto comercial ao lado e fazermos uma baita obra de infraestrutura para aumentar a lotação do local. E se precisássemos aumentar de tamanho, talvez 4 ou 5x apenas no Natal, seria possível no comércio físico? Talvez, com um alto custo. E o e-commerce? Sim, em poucos minutos!

Muitas estruturas de hospedagem (a ZONE se inclui nesta lista!) trabalham com escalabilidade, que nada mais é do que uma espécie de elástico que permite aumentar ou diminuir os recursos de uma estrutura de acordo com a demanda. Veja que mágico: Você terá um aumento de 3x o seu fluxo normal apenas no Natal? Ótimo! Não tem porque você mudar de plano ou fazer uma grande reforma apenas para comportar esta demanda. Com poucos cliques os técnicos do Datacenter mudam algumas configurações e pronto, a sua loja virtual está com mais recursos para vender muito em sazonalidades.

Escolhendo uma boa estrutura de hospedagem

Acho que a melhor maneira de encontrar uma boa estrutura de hospedagem é, em primeiro lugar, conversar com o seu desenvolvedor. Não pela “venda casada”, mas principalmente pela experiência que ele (ou ela) já possui com outras lojas virtuais anteriormente desenvolvidas. Ele (ou ela) sabe a peculiaridade do projeto, os softwares utilizados e os pré-requisitos que o servidor deve ter para comportar a demanda.

Se, por qualquer motivo, você deseja fazer um vôo solo na pesquisa por uma boa estrutura de hospedagem, separei uma lista de questionamentos que você pode fazer para os proponentes datacenters, lembrando que você deve incluir na lista também os pré-requisitos técnicos da sua plataforma de e-commerce, ok?

  • Qual é o limite de Memória RAM que minha loja poderá utilizar? (O limite mínimo-do-mínimo recomendado é de 256MB. O mais indicado é 512MB pra cima)
  • Qual é o limite de CPU que minha loja poderá utilizar? (Recomenda-se que este limite esteja no mínimo entre 500-700Mhz)
  • A solução de hosting é plenamente gerenciada? (Esta pergunta é importante para saber se os softwares do servidor são gerenciados por uma equipe dedicada a isto ou ficará a seu cargo)
  • Os recursos da minha loja virtual sou únicos ou compartilhados com outros clientes? (Não recomendamos soluções compartilhadas, pois clientes que utilizam muitos recursos podem fazer com que sua loja fique indisponível)
  • Existe estrutura para Certificado SSL? Já está inclusa no preço? (Normalmente é adicional, algo entre R$ 20 e R$ 40 mensais)
  • Os servidores são hospedados em qual Datacenter? (Vale uma pesquisa no Google para verificar se o Datacenter é confiável)
  • Qual é o Webserver que será utilizad para a minha loja virtual? (Os mais comuns do mercado são o Apache e IIS – no caso de Windows. Recomendamos fortemente o Nginx Webserver)
  • Qual é o tráfego de dados máximo que poderei utilizar por mês? (Pergunte também sobre o que ocorre com o tráfego excedido: Se a loja é suspensa ou há opção de passar o limite com pagamento adicional. Neste caso, quanto?)
  • Qual é o SLA de disponibilidade da estrutura? (O SLA é a garantia de tempo de disponibilidade online da estrutura de hospedagem. Normalmente é um percentual. Ensino um cálculo abaixo para entender melhor).

Como calcular o SLA de disponibilidade da minha hospedagem?

Vamos supor que o seu provedor de hospedagem comprometa-se (contratualmente) a manter um SLA de 98% em um período de 1 mês. Isto significa que num período de 30 dias a loja virtual deverá ficar online por pelo menos 98% do tempo. Vamos ao cálculo:

– 1 dia possui 1.440 minutos
– 30 dias possuem 43.200 minutos

2% de 43.200 minutos = 864 minutos = 14 horas e 20 minutos (aproximadamente) de indisponibilidade.

Isto significa que um SLA de 98% garante que a loja deverá ficar, no máximo, 14 horas e 20 minutos indisponível num período de 30 dias. Isto não significa que sejam 14 horas seguidas. Se houver 3 quedas num período de 30 dias com 5 horas cada uma, atingiríamos 15 horas na soma total no período de 1 mês

“Prata da Casa”

Aqui na Agência SOFT, por exemplo, nós criamos a DataZONE (mais conhecida como ZONE, como já citei acima neste mesmo artigo) em 2012 para suprir a demanda dos nossos clientes pela hospedagem de suas lojas virtuais. Vale dar uma conferida depois: www.datazone.com.br. O grande diferencial é que temos controle total sobre os softwares e aplicações que são executadas nos servidores, assim conseguimos garantir que as lojas virtuais estarão a maior parte do tempo disponíveis para os consumidores finais, sem surpresas desagradáveis.

Muitos clientes que desenvolvemos entre 2010 e 2012 demandavam a criação de uma estrutura de hospedagem que comportasse o mesmo compromisso que temos na SOFT com os projetos que temos o prazer de encabeçar. Normalmente os clientes buscavam fornecedores de hospedagem com a nossa ajuda, mas um problema ou outro sempre eram encontrados, principalmente com relação a sazonalidades.

Então, numa reunião dos sócios, alguém (eu!!) levantou a bandeira: “Ora, por qual motivo não criamos nossa própria estrutura de hospedagem? Temos conhecimento técnico suficiente, uma boa bagagem no mercado, pessoal capacitado para operar este novo braço técnico… Vamos lá!”

Estudamos bastante, afinal queríamos que se tratasse da melhor estrutura de hosting para e-commerce possível para os nossos clientes. De pronto utilizamos o Cloudlinux (que permite a elasticidade que comentei acima) e diversas tecnologias inovadoras que melhoram a velocidade e confiabilidade de acesso das lojas virtuais. Voilá: A ZONE nascia com a missão (bem cumprida até então) de ser uma excelente estrutura hospedagem de e-commerce para novos empreendedores digitais.

Ah… O SLA da ZONE está dentro do limite tolerável desde o lançamento das nossas operações no segundo semestre de 2012! São mais de 3 anos de meta batida com louvor!

E você, tem alguma dica para compartilhar com a gente ou ficou com alguma dúvida? Estou esperando o seu comentário aqui no campo abaixo ou no e-mail comercial@agenciasoft.com.br. Um grande abraço e nos vemos no próximo artigo!